Publicado por: poeticasdigitais | julho 5, 2012

Amoreiras no Instituto Tomie Ohtake

Em breve o projeto Amoreiras estará no Instituto Tomie Ohtake, como parte da III Mostra 3M de Arte Digital. Clique abaixo e veja algumas fotos da preparação.

Image

Leia Mais…

Publicado por: poeticasdigitais | agosto 23, 2011

CATAVENTO em Brasília

Este slideshow necessita de JavaScript.

Ontem levaram de Brasília um céu, cheinho de nuvens. Quem viu, sentiu falta e mesmo saudade! O céu não pôde esperar mais e foi!

Dentro do contexto da exposição #Em meios 2011, havia uma obra que consistia numa projeção de uma palavra: C É U, construída com imagens que simulavam nuvens. Essa projeção foi feita por duas vezes no lado externo da cúpula do Museu Nacional da República no finzinho da tarde começinho da noite. Isoladamente, observando apenas o aspecto gráfico da obra claramente se destacava da palavra suas letras, cada uma delas podendo ser uma ou mais mini cúpulas esticadas ou encolhidas aqui e ali: C Ɛ U.E isso sendo projetado sobre a cúpula maior do Museu: ᴒ.

Com certeza daí temos material para uma crítica do tipo daquelas que são escritas por Arthur C. Danto, desde que ele batizou de significado incorporado a arte visual, ou seja, de pensamento (significado ou afirmação sobre o mundo e a vida) mais objeto (o modo que isso se apresenta). Nesse caso que descrevemos, o significado seria uma sentença ou afirmação sobre o céu, por exemplo, a de se perguntar quantos céus existe no céu ou com quantos céus de faz um céu, já que a palavra esconderia em sua grafia pequenas cúpulas por sua vez projetadas por nuvens sobre uma cúpula maior: uma espécie de, em termos antigos, abóbada celeste. Mas ainda não terminou, porque aquilo que faz variar na palavra CÉU sua grafia constantemente em modificação, como nuvens, é o vento. Sim, esse é uma dado que eu ainda não havia mencionado: uma biruta eletrônica envia informações sobre a origem e intensidade do vento para um equipamento específico ligado a um programa de computador que, a partir dessas informações, gera as imagens em formato de nuvem com a grafia reconhecível: C Ɛ U. O que a obra pensa sobre o mundo e diz poderia ser, e assim foi para mim: muitos céus fazem o céu e sem vento não há céu ou ainda quanto menos vento menos céu! São afirmações poéticas sobre a vida e daí pode-se entender muitas coisas, mas ainda falta a paisagem que compõe a obra, onde ela está e com o que interage de uma perspectiva arquitetural.

Visto um pouco mais afastada rumo oeste e usando o espaço vazio que os monumentos sempre precisam para ser apreciados, à cúpula-abóbada celeste cravada no concreto do chão, somamos ainda a Catedral e ao fundo o Congresso Nacional e os Ministérios. Acima de tudo a lua cheia ocupava o céu junto com nuvens e com vento. Nuvens em agosto são raras em Brasília, mas elas estavam lá nessa hora, juro! Sem querer, percebi uma combinação um tanto antiquada, mas curiosa: o Congresso dos homens, a igreja católica e a abóbada da arte estavam alinhadas naquele quadro vivo. Da terra e dos homens para o céu e arte com a ligação da religião tudo numa única paisagem iluminada pela lua que tudo parecia ver. Daí também poderiam discorrer por muitas páginas os críticos de orientação mais sociológica ou religiosa. O que, entretanto, me assombrava silenciosamente não era nada disso, mas ter visto naquele espelho d´água que também compunha a cena a lua refletida e mais uma vez isolada de tudo: seja lá em cima ou no espelho cá embaixo, as duas luas afastadas das nuvens que formavam o C Ɛ U da abóbada do Museu.

Para mim, isso soava aos olhos mais uma obra gerada pelos C Ɛ U S projetados na abóbada do Museu e pelo céu também, lembrando que arte e poesia estão por toda parte, porque partem de dentro de cada um. E mais, vi no S e na inversão gráfica da parte de cima da letra espelhada na parte de baixo o que as luas e os ventos não conseguiram naqueles dias em que a obra estava exposta: unir o C Ɛ U com o céu fazendo aparecer como uma mágica C Ɛ U S no singular!

texto: miguel gally

imagens: tatiana travisani

Publicado por: poeticasdigitais | agosto 15, 2011

visita de mirian tavares

o grupo recebeu a visita da professora Mirian, da Universidade de Algarve/Portugal, que falou sobre sua interessante pesquisa.

Publicado por: poeticasdigitais | maio 11, 2011

maida withers

o grupo poéticas digitais teve o prazer de receber a visita da artista maida withers, professora da university of washington. maida mostrou alguns de seus trabalhos, inclusive o último “aurora”, que pode ser visto no vídeo abaixo.

Publicado por: poeticasdigitais | maio 11, 2011

processo do Catavento

novo projeto do grupo, em processo…

Publicado por: poeticasdigitais | dezembro 9, 2010

Amoreira.doc

documentário produzido pelo grupo, em versão espanhola, sobre a obra Amoreiras, logo haverá versões em outros idiomas também…

Publicado por: poeticasdigitais | outubro 29, 2010

Amoreiras timelapse

Publicado por: poeticasdigitais | julho 1, 2010

amoreiras no itaú cultural

Publicado por: poeticasdigitais | junho 30, 2010

abertura do emoção art.ficial 5.0

hoje abre a exposição emoção art.ficial 5.0, no itaú cultural. as amoreiras já estão lá, prontinhas para começar a festa!

e na mídia: catraca livre, isto é,  folha online

Publicado por: poeticasdigitais | junho 28, 2010

montagem no itaú cultural

Publicado por: poeticasdigitais | junho 25, 2010

protótipo de Amoreiras

dia 30 de junho inaugura a exposição emoção art.ficial 5.0 no itaú cultural. as amoreiras estarão na porta do instituto, recepcionando a todos…

Publicado por: poeticasdigitais | junho 21, 2010

circuitos em funcionamento

berçario das amoreiras

Publicado por: poeticasdigitais | junho 16, 2010

sistema do Amoreiras

área onde estarão os vasos, em frente ao itaú cultural.

no diagrama acima, (1) representa o computador, (2) o microfone (que captura o som ambiente) e (3) as 'árvores aprendizes'.

Publicado por: poeticasdigitais | junho 14, 2010

amoreiras crescendo, trabalho também


abertura do emoção art.ficial 5.0 será no dia 30 de junho, no itaú cultural.

Publicado por: poeticasdigitais | maio 7, 2010

amoreiras indo para os vasos

estão lindonas, se preparando para o emoção art.ficial 5.0!!

Publicado por: poeticasdigitais | abril 10, 2010

desluz no galeria expandida

o desluz está na galeria luciana brito na exposição galeria expandida, com curadoria de christine melo, do dia 05 ao 20 de abril. boa oportunidade de vê-lo aqui em são paulo acompanhado de outros super trabalhos!!

Publicado por: poeticasdigitais | março 7, 2010

desluz em timelapse

resultado de imagens capturadas para a obra desluz, com técnica timelapse, que foram registradas por uma webcam, ao longo de alguns dias na rua augusta/são paulo.

Publicado por: poeticasdigitais | março 5, 2010

revista ars 13

saiu a 13a edição da revista ars. ela agora estará no scielo, é a primeira revista de artes nacional que será cadastrada na biblioteca científica!!

Publicado por: poeticasdigitais | março 5, 2010

projeto aprovado!!

o novo projeto do grupo, amoreiras, foi um dos selecionados para o emoção art. ficial 5.0, a bienal de arte e tecnologia do itaú cultural. a exposição ocorrerá entre 30 de junho e 05 de setembro de 2010 e tem como tema autonomia. o grupo estará super bem acompanhado com obras de lali krotoszynski, do grupo sciarts e de tania fraga.

Publicado por: poeticasdigitais | novembro 18, 2009

novos trabalhos

as idéias já foram pro papel e do papel…

Older Posts »

Categorias

Seguir

Obtenha todo post novo entregue na sua caixa de entrada.